Fotografias de “O Rouxinol”

As 1614 fotografias de “O Rouxinol” estão já tratadas e podem ser visualizadas através do mesmo site criado para “O Menino do Farol”, com os mesmos dados de acesso.
Espero que gostem tanto quanto eu gostei de vos fotografar e não me cansarei de repetir que é para mim uma honra de cada vez que vos fotografo a dançar. Meninas, o amor que vocês têm pela dança deixa-me profundamente emocionado. Peçam-me para vos fotografar que eu vou! Obrigado por me proporcionarem a honra de vos imortalizar a fazer o que tanto amam, dançar!

Ensaio para “O Rouxinol”

Clique na imagem para ver o slideshow
Clique na imagem para ver o slideshow

No passado sábado deram-me o privilégio de fotografar “O Rouxinol”, espectáculo de final de ano dos alunos de dança do Maia Club.
Não podendo ir a todos os ensaios, fiz um esforço por estar presente com as alunas mais crescidas, as que se movem mais rápidamente, saltam, rodopiam e se alongam nos mais belos movimentos que o corpo humano pode executar para que o meu teste fosse o mais produtivo possível.
A minha análise num ensaio começa por ser meramente técnica para que durante o espectáculo eu seja livre na minha visão estética, mas o amor que estas meninas têm pela dança rápidamente me faz esquecer os pormenores técnicos para fotografar com o coração!
Como eu adoro fotografar estas bailarinas maravilhosas!
Podem ver o slideshow das fotografias do ensaio aqui.

Aos Amigos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma amizade pode nascer quando menos se espera. Uma amizade pode nascer numa viagem de metro, em cinco minutos, aconteceu comigo.
Nos nossos tempos de estudantes, todos nós fizemos amigos e muitas dessas amizades ultrapassarão as separações que a vida lhes impõe e durarão enquanto vivermos.
Os amigos podem viver perto ou longe, podem passar longos períodos sem se verem ou encontrarem-se todas as semanas para um copo. Os amigos, aqueles amigos de verdade, Amigos com letra grande, sabem quem são os seus Amigos!
Na minha vida tenho sido um observador do ser humano, privilegiado por a minha profissão me colocar na primeira fila deste espectáculo único, observando este ser maravilhosamente complexo que tem capacidades muito superiores aquelas de que tem conhecimento e consciência, eu gosto de menosprezar os seus defeitos e sorrir com as suas virtudes. Quando o ser humano é verdadeiro, genuino, puro, sem precisar de recorrer a defesas, é quando está entre amigos. Com os Amigos somos livres e felizes!
Nos últimos anos tenho tido a honra de fotografar encontros de amigos e alguns que já não se viam há algumas décadas. Os convívios de ex-militares, de homens que viveram lado a lado a experiência da guerra ou que estiveram muito próximos dela, juntam homens de 60 e 70 anos que por umas horas, em grupo, juntos de novo, voltam a ser os rapazes de 20 anos cheios de alegria, de olhos brilhantes e sorrisos cheios. Estes Amigos viveram o que nós, que por lá não passamos, não conseguimos sequer imaginar. Estes Amigos, longe da guerra, recordam as peripécias, as aventuras desses tempos em que só se tinham uns aos outros, longe das suas familias, longe das suas terras, sem saberem se teriam o dia de amanhã para gozar.
Eu nunca vi Amigos tão especialmente Amigos como estes homens!
Aos Amigos!